Aquivo do autor: cristina

CONSULTÓRIO

dr. raul
FOTOSSENSIBILIZAÇÃO – ou a forma como alguns medicamentos interagem com a luz do Sol!
Agora que todos queremos aproveitar o máximo do Sol… depois deste tempo de confinamento forçado!
Hoje vamos falar da exposição ao Sol de pessoas que tomam determinados medicamentos. Isto porque, há medicamentos que provocam uma alergia ou intolerância quando essas pessoas estão expostas ao Sol.
Se anda a tomar medicamentos é importante saber se pertencem, ou não, à lista dos medicamentos fotossensibilizantes. Estes medicamentos podem ser responsáveis por uma reacção cutânea como consequência da exposição ao Sol.
Com o Verão ainda a manifestar-se no seu esplendor, com o Sol a mostrar-se de forma mais descarada, é natural que os fenómenos de fotossensibilização surjam com mais frequência e exuberância.
A fotossensibilização é uma sensibilidade anormal da pele à luz (aos raios ultra-violetas – UV – do Sol ou das lâmpadas de bronzear) quando na presença de um medicamento.
A reacção cutânea pode manifestar-se como um golpe de Sol (com vermelhidão da pele, calor e ligeiro edema) ou sob a forma de uma erupção de tipo urticária, com comichões. Por vezes observa-se, também, uma alteração da pigmentação de cor acastanhada ou azulada, ao nível das zonas expostas.
São numerosos os medicamentos fotossensibilizantes:
Ansiolíticos: Alprazolan, Clorodiazepóxido.
Antibióticos: Quinolonas, Sulfamidas, Tetraciclinas, Trimetroprim.
Antidepressivos: Tricíclicos.
Antipalúdicos (tratamento contra o paludismo): Cloroquina, Quinino.
Antifúngicos (tratamento contra os fungos) por via oral: Griseofulvina.
Antidiabéticos (tratamento da diabetes): Sulfonilureia.
Antipsicóticos: Fenotiazinas.
Diuréticos: Furosemido, Tiazidas.
Antiacnéicos (tratamento do acne): Isotretionina.
Medicamentos para o coração: Amiodarona, Quinidina.
Preparações dermatológicas: antibacterianos (Cloro-hexidina, Hexaclorofeno), antifúngicos, alcatrão mineral, perfumes…
Medicamentos de quimioterapia: são variados e administrados geralmente por via hospitalar (Dacarbazina, Fluorouracilo, Metrotexato, Vinblastina, …).
Como se vê a lista é extensa, o que não significa, obrigatoriamente, que os fenómenos de fotossensibilização apareçam em todas as circunstâncias e em todas as pessoas que tomam estes tipos de medicamentos.
Nem todas as pessoas, tomando os mesmos medicamentos e estando expostos à mesma quantidade de radiação solar, reagem de forma igual: é preciso que existam condições associadas ao próprio indivíduo, os chamados factores endógenos.
O aparecimento destas manifestações de fotossensibilização obriga a uma leitura da bula que acompanha o medicamento, a interrompê-lo se for caso disso e a consultar de imediato o seu médico, pois só a ele caberá a decisão de substituir o medicamento em causa por outro com efeitos terapêuticos semelhantes.
Quem sabe ser portador de alguma fotossensibilidade a um medicamento específico deve, em primeiro lugar, aconselhar-se com o seu médico sobre a necessidade de tomar o medicamento enquanto está exposto ao Sol, da sua eventual substituição, ou da protecção da pele por um produto (foto-protector) que impeça o aparecimento desses fenómenos de hipersensibilidade!

Nota

O Dr. Maximiano de Aragão é uma figura de destaque na cidade de Viseu. Escritor, historiador e investigador tem o seu nome numa das ruas da cidade de Viseu.
Mangualde também atribuiu o seu nome a uma das novas ruas.
Nasceu na aldeia de Fagilde, Mangualde em 29 de Maio de 1853 e faleceu na cidade de Viseu em 2 de Junho de 1929. Deixou uma vasta obra sobre a cidade de Viseu, suas Instituições e principais figuras.
Em Março deste ano foi publicado o livro “ Liquidação de uma Dinastia”, obra inédita, pronta a publicar, encontrada por sorte, entre os seus papeis, 90 anos após a sua morte.
Em Agosto deste ano foi também publicado um pequeno livro :- O Pobre de Veneza, Florença, Nápoles e S. Lucar”, onde narra a história de um falso D. Sebastião.
É Editor destas Edições António Fortes, seu parente directo.

GNR – Operação “Regresso às aulas 2020”

A Guarda Nacional Republicana (GNR), no período de 14 a 25 de setembro, realiza um conjunto de ações de sensibilização dirigidas aos diversos intervenientes no ambiente escolar, desde professores, alunos e encarregados de educação, em todos os estabelecimentos escolares na sua área de responsabilidade, com o objetivo de transmitir conselhos de segurança e restringir ações, atitudes e comportamentos de risco potenciadores da propagação da pandemia COVID-19, em todo o território nacional.
Neste período, as Secções de Prevenção Criminal e Policiamento Comunitário (SPC) e os militares dos Postos Territoriais irão promover ações de sensibilização no âmbito da segurança na rua, em casa e ainda segurança rodoviária, uma vez que o fluxo de trânsito aumenta devido ao transporte dos alunos para a escola, sendo importante alertar os condutores para a utilização dos cintos de segurança e dos sistemas de retenção para crianças. Irão também ser realizadas ações de patrulhamento orientado para o cumprimento das normas destinadas a prevenir a propagação da COVID-19.
A GNR, para além da transmissão de conselhos de segurança aos encarregados de educação, irá ainda divulgar o Programa Escola Segura e dar a conhecer os militares responsáveis pelo programa na respetiva escola, com a distribuição do número de contacto das SPC, contribuindo desse modo para uma maior consciencialização dos encarregados de educação para a importância da segurança escolar dos jovens alunos e para uma melhor preparação das crianças e jovens, para os desafios que irão encontrar no regresso às aulas, aumentando o sentimento de segurança da comunidade escolar.
A GNR tem à sua responsabilidade cerca de 5 mil estabelecimentos de ensino, onde os militares irão promover estas ações e transmitir alguns conselhos de segurança, designadamente:
– Aos jovens estudantes:
No deslocamento de e para a escola circula sempre que possível acompanhado ou em grupo e evita passar em locais isolados ou com pouca luz;
Nem sempre o caminho mais perto é o caminho mais seguro;
Memoriza no telemóvel o número do Posto da GNR local, num dos números de marcação rápida;
Espera pelos teus pais, por algum familiar ou amigo, dentro da escola;
Na internet:
Escolhe bem os conteúdos que publicas;
Palavras-passe: não as deixes acessíveis, não as mostres a amigos, altera-as e usa diferentes para vários serviços;
Se te sentires ameaçado na internet, pede ajuda a outra pessoa;
Qualquer pessoa pode estar online. Não acredites em tudo o que te dizem ou mostram;
Não te isoles. Se te acontecer algo perturbador online, denuncia.
Sempre que tiveres um problema, informa os teus pais ou encarregados de educação ou pede ajuda a um professor ou a um auxiliar da escola.
Aos pais:
Acompanhe o desenvolvimento escolar e as suas rotinas do seu filho;
Ensine o seu filho a colocar o número do Posto da GNR local, num número de marcação rápida;
Sempre que tiver conhecimento ou suspeita de que o seu filho ou colegas estejam a ser vítimas de ameaças, agressões ou outro tipo de crime, informe de imediato a GNR. A nossa ajuda poderá ser decisiva!

Gira Por La Infancia 2020

O Solar do Mimo, Centro de Acolhimento de Crianças em Risco, está a colaborar com o projeto internacional Gira Por La Infancia 2020
O Solar do Mimo, Centro de Acolhimento de Crianças em Risco, está a colaborar com o projeto internacional GIRA POR LA INFANCIA 2020, uma iniciativa que envolve mais de 30 países e que tem como objetivo promover a cultura do Bom Trato através da participação infantil.
“Gira por la Infancia 2020”, é um projeto internacional, com Sede em Espanha, promovido pelo Consejo Independiente de Protección de la Infancia (CIPI), que após 4 edições no formato presencial, apresenta este ano, a sua primeira edição em modo virtual.
O objetivo do projeto, é criar uma cultura de bom trato através da participação infantil, prevendo-se a participação de cerca de 30 Países dos 5 continentes. As crianças e adolescentes agrupadas através de conselhos de participação infantil, escolas, grupos de escuteiros, associações, etc., vão partilhar através do programa Zoom as suas vivências acerca do encerramento das escolas em consequência da COVID-19, bem como as suas propostas para se conseguir uma escola que responda às necessidades educacionais e sociais geradas pela pandemia.
Os resultados obtidos serão divulgados nas redes sociais através de pequenos vídeos e os relatórios enviados a instituições, administrações públicas e aos principais governantes de todo o mundo para que façam todo o possível para considerar as propostas de crianças e adolescentes.
Assim, até 30 de setembro decorrem as candidaturas, em outubro será realizado um trabalho de pesquisa em grupo acerca do tema referido e de 10 a 20 de novembro serão apresentadas as propostas das crianças e adolescentes participantes neste projeto.
Informação sobre o projeto poderá ser obtida no site: www.giraporlainfancia.org

FESTA DE STª EUFÉMIA EM VILA COVA DE TAVARES

118960635_3377680358966435_2437182572438266010_n
No passado fim de semana, realizou-se a festa de Stª Eufémia na localidade de Vila Cova de Tavares.
Porque este ano, nada é como antes, a Festa teve que sofrer as alterações necessárias e realizar-se por forma a manter a segurança imposta e necessária para bem de todos.
No sábado de manhã, dia 12, foi celebrada a Santa Eucaristia em honra e louvor de Stª Eufémia, seguida de procissão com o andor da padroeira de Vila Cova de Tavares num trator por todas as ruas da povoação.
No domingo à tarde, a capela esteve aberta durante um período de tempo, para quem pretendesse visitar Stª Eufémia.

vítimas dO ACIDENTE FERROVIÁRIO DE Alcafache foram recordadas em Cerimónia, que se realiza todos os anos em Mangualde, este ano de uma forma simples e respeitando as regras da DGS

Cerimónia de homenagem Alcafache
Na tarde do dia 11 de setembro, as vítimas do acidente ferroviário de Alcafache foram, uma vez mais, homenageadas e recordadas pelo município de Mangualde. A cerimónia, que assinalou os 35 anos do referido acidente, foi simples e breve, respeitando todas as regras da Direção Geral da Saúde (DGS) e teve lugar ao Km 94,850, da Estrada Nacional 234 Mangualde-Nelas, local do acidente.
Estiveram presentes o presidente da Câmara Municipal de Mangualde, Elísio Oliveira, representantes da COMAFA (Comissão Organizadora Movimento Acidente Ferroviário de Alcafache), o presidente da Junta de Freguesia de Espinho, António Monteiro, o presidente da União das Freguesias de Mangualde, Mesquitela e Cunha Alta, Marco Almeida, o presidente da Federação Distrital de Bombeiros, António Amaro, e representantes dos Bombeiros Voluntários de Mangualde e de Nelas

ANO LETIVO 20/21 ARRANCOU ONTEM, DIA 14 DE SETEMBRO, NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MANGUALDE

DSC05893
Ontem, dia 14 de setembro, iniciaram o novo ano letivo as turmas H, I e J do 12º ano. Dia 17 de manhã, terá lugar a receção aos pais das crianças de 3 anos e dos 1º, 4º e 5º anos; dia 18 de manhã será a receção das crianças do pré-escolar e dos alunos dos 1º e 2º ciclos e no dia 21 começarão a decorrer as aulas normalmente para todos os anos e turmas de acordo com os horários.
Face a toda a apreensão que a presença do COVID19 tem colocado sobre a sociedade e porque, o vírus ainda se mantém, a Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de Mangualde achou oportuno deixar alguns esclarecimentos e palavras de tranquilidade aos pais sobre como tudo irá decorrer, para tal, convocou uma conferência e imprensa que teve lugar na tarde do passado dia 11 no gabinete do Diretor das Escolas de Mangualde, estando presentes, além do Presidente da Associação de Pais, Rui Pinto; o Diretor das Escolas de Mangualde, Agnelo Figueiredo e o vereador da Educação da Câmara Municipal de Mangualde, Rui Costa.
Começou por usar da palavra o Diretor das Escolas de Mangualde, referindo que esta conferência “ é para dar uma palavra de tranquilidade à nossa comunidade, sobretudo aos pais, porque as pessoas têm que vir para a escola mas confiantes e não com o pavor do contágio. Temos que deixar claro que a escola é um lugar seguro. Não é na escola que podemos ser contagiados com COVID, o que pode acontecer, é que podemos ter pessoas que trazem o vírus para a escola e é aí que temos que ter muita atenção, fazer muita pressão para que as pessoas evitem comportamentos de risco.” Todos devem ter em conta que o autocontrole é o mais importante para o controle desta pandemia. Evitar falar com pessoas com quem habitualmente não falamos ou com o parente que veio de longe, neste aspeto é recomendada muita atenção. Agnelo Figueiredo reforça mesmo, “autocontrole, fazer a sua autovigilância e responsabilidade, são os aspetos que nos permitem esperar um ano com certa tranquilidade”.
O plano de contingência do Agrupamento está também concluído, aprovado pela Proteção Civil e Delegada de Saúde e já foi publicado e distribuído a toda a comunidade escolar. Nele estão expressas todas as regras e procedimentos a cumprir que, a serem cumpridas não haverá qualquer problema.
“A função da escola é o ensino, não é evitar o COVID. A missão da escola é ensinar, formar, de forma que não potencie o contágio, mas não podemos por à frente do ensino o vírus. Primeiro está o ensino e depois, o vírus e nós temos que fazer uma coisa contemporizando com a outra. São precisas atitudes que evitem que o nosso objetivo principal seja sobreposto por outro”, reforçou o diretor do agrupamento.
Antes de terminar a sua intervenção, Agnelo Figueiredo deixou uma nota de congratulação por um lado, à Associação de Pais por ter tomado a iniciativa da necessidade deste esclarecimento à comunidade, e por outro, à Câmara Municipal de Mangualde, por toda a colaboração para o lançamento deste ano, nomeadamente nas obras necessárias na requalificação do colégio que foram realizadas durante as férias e a tempo de receber os alunos neste novo ano letivo. A finalizar, deixou ainda a boa notícia, resultante da transferência de competências, o facto de a partir de agora se passar a comer de igual forma nos três refeitórios do agrupamento, uma vez que, numa gestão global, todos passarão para a responsabilidade do chefe Alcino.
Seguidamente, Rui Pinto, Presidente da Associação de Pais, agradeceu a oportunidade perante esta situação excecional e a necessidade de se realizar uma análise do final do ano letivo anterior e mostrar toda a colaboração que tem vindo a ser realizada nos mais variados esclarecimentos que têm sido solicitados por parte dos pais.
Salientou a necessidade de todos serem “agentes não só de saúde pública, mas também construtores junto das nossas crianças, porque o acesso à educação deve ser universal e igual para todos. Em meados do ano letivo anterior, o ensino à distância foi o único possível, e nesse aspeto já deixamos uma menção de apreço e honrosa às Escolas de Mangualde que praticamente no dia a seguir conseguiram implementar este sistema. Não sabemos exatamente a eficácia, mas certamente aumentou as assimetrias aos alunos e a única forma de não perpetrarmos isso, é termos a escola presencial e, nesse sentido temos estado sempre junto da escola e da Câmara Municipal a dar a nossa opinião a ajudar a encontrar a solução”.
Mais uma vez, e a exemplo do que já havia sido solicitado pelo Diretor das Escolas, Rui Pinto, pede aos pais para a maior atenção junto dos filhos e do trabalho de que têm que realizar pela impossibilidade de se ter um funcionário para cada aluno. “Os pais terão que fazer um trabalho excecional”, reforçou.
Segundo Rui Costa, vereador da Educação da Câmara Municipal de Mangualde e reforçando o que já havia sido dito, neste novo ano escolar 20/21, é necessária uma corresponsabilização de toda a comunidade escolar.
Na sua intervenção, salientou ainda a forma estável com que se realizou a transmissão de competências, facto só possível, porque o município tem pessoas com competências para tal sendo propósito final “conseguirmos que o nosso agrupamento de escolas atinja um patamar de excelência”, salientou.
Encontram-se em andamento dois concursos, um para a reabilitação de parte da ACO e o outro para a reabilitação da ESFA.
No final das intervenções e em resposta a algumas questões, foi esclarecido que a questão do transporte escolar está resolvida e todos os alunos têm transporte para ir para casa se tiverem aulas só de manhã ou para virem para a escola se tiverem aulas só à tarde. Haverá transporte para todos. Também aqueles alunos, que por força da profissão dos pais, tenham que vir para a escola, ainda que não tenham aulas, terão enquadramento para ocupar o seu tempo e para realizar as refeições. Acrescentar apenas, que estas situações terão que ser devidamente comprovadas para que não se tornem uma generalidade, frisou Agnelo Figueiredo.
Outra preocupação dos pais, prende-se com a prática do desporto, nomeadamente Educação Fisica, quanto a este facto Agnelo Figueiredo esclarece “por enquanto ainda não vamos ter o desporto escolar, vamos ter a Educação Fisica, que vai decorrer com o apoio das instalações municipais, além do pavilhão municipal, vamos contar com o estádio e com o sintético. Vamos poder garantir aquilo que se chama “a bolha”, tendo uma turma de cada vez em cada espaço.”
Regras Universais/Informações Gerais constantes do plano de contingência
1. Manter sempre a distância de – pelo menos – 2 metros entre pessoas, dentro do recinto escolar.
2. Usar máscara no recinto escolar (os alunos, a partir do 2º ciclo) e procurar não mexer na mesma depois de colocada. Cada aluno, professor ou funcionário receberá um kit de 3 máscaras reutilizáveis para o 1º período.
3. Lavar sempre as mãos ou higienizá-las depois de tocar em objetos que não sejam os seus. À entrada da escola todos os alunos deverão higienizar as mãos com uma solução de base alcoólica.
4. Nos JI e Escolas estão definidos e identificados percursos desde o portão de entrada até às salas de aula ou outros espaços comuns, para evitar que os alunos circulem livremente no recinto com contacto com outras turmas. Nas escolas maiores, há portões de entrada e saída indicados.
5. A medição de temperatura, não sendo obrigatória, vai ser feita em todas as unidades.
6. Os pais não podem entrar nos edifícios escolares. Este facto, não obsta que os pais/encarregados de educação das crianças dos JI da cidade (ACO) possam entrar de máscara no recinto escolar (que não nos edifícios).
7. Nos JI, as crianças não poderão trazer de casa qualquer brinquedo e deverão ter calçado próprio para utilizar dentro do edifício.
8. Os alunos vão ser organizados para estarem tendencialmente em “bolha”. Os alunos da turma contactam apenas entre si. Partilham a sala de aula, onde cada aluno terá o mesmo lugar (à exceção de EF ou laboratórios ou TIC) e um espaço específico durante o intervalo. Pretende-se reduzir os contactos entre os alunos e evitar os contactos de potenciais contágios.
9. As salas de aula serão arejadas e as portas estarão abertas. As mesas estão dispostas de modo a que os alunos não estejam virados uns para os outros.
10. Os intervalos serão mais curtos no tempo e são delimitados os espaços.
11. Os horários foram feitos de modo a que haja o menor número possível de alunos no recinto escolar.
12. O único bufete para alunos a funcionar é do Escola ESFA, pelo que os alunos deverão, se o entenderem, ser portadores de um suplemento alimentar.
13. Os refeitórios funcionarão tendencialmente com hora marcada para cada turma e terão portas de entrada e saída. Eventualmente, terão serviço de take-away, dependendo da frequência apurada.
14. A utilização da casa de banho está condicionada. Nos intervalos, a entrada é determinada pelo funcionário. Após a sua utilização, pede-se que cada aluno lave as mãos (palma e costas da mão) com sabão pelo menos 20 segundos e as seque com papel, colocando este no recipiente existente para o efeito.
15. O arejamento das salas é feito durante os intervalos e é da responsabilidade do docente.
16. Colocar o lixo produzido nos caixotes.

DIA DE NOSSA SENHORA DO CASTELO E FERIADO MUNICIPAL VIVIDOS DE FORMA DIFERENTE

dav

dav


Meses depois de ter chegado ao nosso país, o Covid-19, cá se mantém em conjunto com todos os receios, todas as preocupações que obrigam a cuidados e modos de vida bem diferentes daqueles a que estávamos habituados.
O passado dia 8 de setembro, dia de Nossa Senhora do Castelo e feriado Municipal foi vivido de forma diferente. A anteceder este dia, também as habituais Festas da Cidade, o Festival das Sopas de Mangualde, o já tão conhecido desfile de moda Mangualde Fashion e a tão concorrida procissão de velas que no dia 7 de setembro leva milhares de fiéis às escadinhas de Nª. Srª do Castelo e à sua ermida, não se realizaram face a todas as contingências provocadas pelo Covid-19.
As festas de Nª Srª. do Castelo 2020, ficaram marcadas pelas transmissões em direto da recitação do terço no dia 7 e da Celebração Eucarística no dia 8. A ermida esteve ainda aberta para visitação, mas sempre, sob a supervisão da Misericórdia de Mangualde, por forma, a que todas as regras da DGS fossem cumpridas.
Aos nossos leitores deixamos a mensagem do Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Mangualde, José Tomás:
´´É neste lugar onde me encontro, no Monte de Nª. Srª. do Castelo, junto à ermida, que todos os anos nos reunimos para aqui celebrar a festa de Nª Srª do Castelo de Mangualde. Tem sido assim ao longo dos anos. Milhares de pessoas vêm até este lugar, para aqui fazerem as suas orações, para aqui fazerem os seus convívios com a família, as merendas, as festas. Para encontrarem amigos que às vezes, normalmente, até só encontram uma vez por ano. É portanto, o local também de reunião.
As festas de Nª Srª do Castelo, são também um marco no calendário das pessoas de Mangualde e dos territórios contíguos a Mangualde.
A pandemia, não nos permite fazer a festa no modelo tradicional com grandes aglomerados de pessoas e, portanto, este ano tudo será diferente. Este ano, marcaremos as festas de Nª Srª do Castelo com duas celebrações religiosas, a primeira, no dia 7 às 9 da noite no interior da ermida com a recitação do terço e depois, no dia 8 às 11 horas a celebração eucarística, também a partir do interior da ermida. São dois momentos de oração não presenciais que serão transmitidos a partir das redes sociais e que permitirá, que todas as pessoas que estejam em qualquer parte do mundo, possam acompanhar estas celebrações a partir de casa e em segurança.
Quero dizer a todas as pessoas que podem, no entanto, visitar este espaço e fazer as orações que entenderem e também, as próprias merendas podem ser realizadas por grupos pequenos e famílias, não haverá nisso qualquer restrição.
Temos a convicção, a certeza e a esperança, de que a ciência irá encontrar brevemente uma solução para este problema que estamos a atravessar e, por isso, acreditamos que no próximo ano, retomaremos a celebração das festas da Srª do Castelo num modelo ainda melhor, mais reforçado, mais encorpado do que aquilo que tem sido nos anos anteriores.
A todos, envio a minha saudação fraterna e votos, acima de tudo, de muita saúde.”

O dia 8, dia do município e feriado municipal, foi assinalado com um concerto dos Contracanto Associação Cultural com a atuação “O Fado nasceu um dia…”. Este concerto, inseriu-se num conjunto de espetáculos no âmbito da comemoração do Dia do Município, e que decorreram no fim de semana de 4 a 8 de setembro na Rotunda Largo Dr. Couto, na Sra. Castelo e na Biblioteca Municipal de Mangualde. Todo o programa foi adaptado por forma a seguir as recomendações de segurança da Direção Geral de Saúde (DGS).
Com som projetado por todo o centro da cidade, na sexta-feira, dia 4 a alegria e a vivacidade tiveram lugar na Rotunda Largo Dr. Couto com a atuação de Mosca na Sopa, pelas 18h30. Já no sábado, dia 5, os espetáculos decorreram a partir das 17h, na Sra. Castelo, com a atuação da Associação Jovens do Castelo Sunset: DJ “Deepblue”, seguida do concerto do Conservatório de Viseu e da Orquestra POEMa com o “Concerto Música Clássica”, na Biblioteca Municipal de Mangualde, pelas 21h30. De 6 a 8 de setembro os espetáculos decorreram, ao ar livre, na Rotunda Largo Dr. Couto. No domingo, dia 6, Mangualde recebeu Paulo Lima com “Music for Movies”, e na segunda-feira, dia 7, o Quarteto de Acordeões.

Na esperança que em 2021 esta comemoração possa retomar a normalidade, deixamos para todos os mangualdenses a mensagem do Presidente da Câmara Municipal de Mangualde, Dr. Elísio Oliveira:
“ O dia 8 de setembro é o dia do Município, o dia do feriado municipal, o dia em que subimos ao monte para celebrar a Sra. do Castelo. Enquanto tal, este dia, é o ponto de encontro entre os mangualdenses. O ponto de encontro dos mangualdenses entre si e o ponto de encontro entre os mangualdenses e a sua história. É o dia, em que reforçamos a nossa relação com os milénios de história que construíram este grande concelho. É o dia, em que aprofundamos o nosso sentimento de pertença, com tudo o que acumulamos no plano material e no plano imaterial e por isso, é o grande dia que nos une. Que une, aqueles que vivem aqui, mas também os mangualdenses da diáspora que não desistem, que não se demitem de ter Mangualde no seu coração e nesta data de evocação da nossa história, da exaltação do nosso território, os nossos emigrantes estão umbilicalmente ligados aos seus familiares, ao nosso território, e à nossa história.
Neste grande dia, que este ano vivemos num contexto de pandemia, da Covid-19, que nos confinou, e que, de certa forma desconstruiu as nossas relações de afetos e de proximidade, quero deixar uma mensagem de esperança. Mensagem de esperança, de que vamos ultrapassar os constrangimentos da pandemia, da sua dureza, da sua frieza e, dizer-lhes, que vivemos hoje no nosso concelho, um momento de progresso sem precedentes no domínio das atividades económicas, no domínio do desenvolvimento ambiental, da reformulação da nossa organização urbanística, do investimento forte no ensino e na cultura, da resposta aos desenvolvimentos da tecnologia e dos desafios dos tempos modernos.
É com esta senda, com esta visão estratégica, com esta mobilização dos mangualdenses, que deixo uma palavra de esperança de que Mangualde terá um grande futuro, tem um grande presente e tem as bases fundamentais de desenvolvimento, e por isso, neste dia 8 de setembro, exaltamos o nosso território e convocamos o melhor da nossa história.
Com espírito de união e vontade férrea de progresso, de inquebrantável esperança de transformar Mangualde na senda do desenvolvimento, saúdo todos os mangualdenses do território e da diáspora. A todos um grande abraço.”

O Centro de Mangualde do Groupe PSA entrega material escolar aos filhos dos seus colaboradores

No âmbito da sua política de responsabilidade social, o Centro de Mangualde do Groupe PSA apoia o regresso à escola, entregando hoje quase 600 kits com material escolar, a filhos dos colaboradores com idades entre os 6 e os 18 anos.
Os kits são constituídos por cadernos, canetas, lápis, dossiers, réguas, compassos e borrachas. Para além deste material escolar, está também incluído no kit uma bolsa de cintura, que, face à situação de pandemia, foi pensada para que as crianças possam transportar para a escola a máscara e o álcool-gel, estando assim mais protegidas e em segurança.
Esta iniciativa decorre desde 2015, onde já foram entregues mais de 3.500 kits aos filhos dos colaboradores. Para muitos deles, este é o sexto ano consecutivo que o seu regresso às aulas é marcado por esta oferta de material escolar.
A PSA Mangualde deseja a todos os que agora iniciam a sua jornada educativa, um ano letivo pleno de sucessos, e que, no contexto instável que vivemos, se mantenham protegidos e com saúde!