Arquivo diário: 1 de Março de 2013

Editorial – Nº 611 – 1-3-2013

maltez

 

Caro Leitor

Numa mensagem gravada para a conferência que marca os 25 anos da TSF “Portugal, a soma das partes”, Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, considera que “a crise que Portugal conhece, que é o resultado também de transformações estruturais na geo-economia mundial, é também fruto de escolhas económicas que foram prosseguidas e que não conseguiram resolver os problemas estruturais da competitividade portuguesa e que permitiram uma acumulação de dívida pública que por e simplesmente não eram sustentáveis”.

Manifestando-se confiante que Portugal saberá e conseguirá ultrapassar o momento difícil que atravessa, Durão Barroso acrescenta:

“A verdade é que não podemos esquecer que sem a União Europeia, sem o apoio de outros países, Portugal não tinha condições não apenas para se financiar, mas também para financiar o próprio funcionamento do Estado português. As próprias funções essenciais do Estado português teriam de ser interrompidas por falta de meios financeiros”.

Ao ler isto, recordei um editorial que escrevi há algumas edições atrás.

Falava então precisamente desta última constatação de Durão Barroso. O nosso País chegou ao  ponto calamitoso de nem dinheiro ter para pagar salários, nem subsídios, nem pensões, nada…

Se não fossem então os tão malditos tipos da troika, nem a “tanga” que hoje temos vestida teríamos para usar.

Nesse editorial disse também, entre várias outras coisas, que via muita politiquice e pouco trabalho político responsável por parte da nossa classe política.

A verdade é que, alguns meses volvidos, vejo tudo exatamente na mesma.

Vejo muita treta, muita politiquice, muita acusação, muito jogo de cintura…

Já trabalho no sentido de um entendimento em torno do que é vital para o nosso País… Vejo zero.

É mais fácil seguir a via que nos trouxe precisamente aonde estamos… A via da treta, num país que assim parece destinado à “tanga” que neste momento, misericordiosamente, ainda veste…

Mas um vendedor, qualquer que ele seja, só consegue vender o que consegue fazer comprar.

Não sei se é tempo de termos melhores vendedores ou consumidores mais exigentes.

Um abraço

DESPORTO

LÍDIA PEREIRA BATE RECORDE NACIONAL

Atleta da Casa do Povo de Mangualde em destaque na Maratona de Sevilha

MÓNICA SILVA BATE RECORDE DE ESCALÃO

Nadadora da Escola de Natação de Mangualde brilha em Vila Nova de Paiva

O VALÉRIO

vale2

 

O restaurante mais antigo de Mangualde em atividade e um dos de maior notoriedade

O Renascimento conversou com o Sr. Valério e a D. Irene tentando conhecer e dar a conhecer mais um ponto do que Mangualde tem de melhor para oferecer