Arquivo mensal: Abril 2013

EDITORIAL – Nº 614 – 15/04/2013

maltez

Caro Leitor,
Estas são as últimas palavras que lhe dirijo na qualidade de diretor do Renascimento.
Durante estes 9 meses, senti profundamente esta casa e dediquei-me a ela de alma e coração.
Em conjunto com a administração, procurei virar uma página na já longa vida deste jornal.
Procurei ser fiel ao seu passado e honrar os seus princípios, mas também procurei dar-lhe a clareza, a objetividade e a atualidade de que necessitava.
Cesso as minhas funções enquanto diretor do Renascimento sabendo que ainda muito havia a fazer, é certo, mas também com a firme convicção que este jornal lhe diz muito mais hoje do que dizia há 9 meses atrás.
Não mudámos apenas a imagem deste jornal. Aproximámo-lo de si. Aproximámo-lo das instituições e das empresas. Assumimos um papel ativo e tornámo-nos parceiros efetivos da nossa comunidade, desempenhando um papel que não é só nosso, mas que é também o nosso.
A todos aqueles com quem ao longo deste período tive o prazer de privar e de trabalhar, deixo o meu sentido agradecimento.
A eles e a si, caro leitor, o meu muito obrigado.
É com bastante tristeza que deixo uma obra que é também a minha, uma obra que nunca acabará, é certo, pois o espírito que nos moveu até aqui, o espírito de nos melhorarmos e aperfeiçoarmos continuamente não cessará. Mas faço-o também perfeitamente convicto que ficará em boas mãos.
Como muitos saberão, serei candidato à Câmara Municipal de Mangualde.
A política, à qual estive ligado durante tantos anos, era algo onde, honestamente, não pensava regressar.
Contudo, com a convicção que sempre coloco nas minhas decisões, decidi aceitar o convite que me foi endereçado.
Posto isto, não ficaria bem comigo mesmo se agora me mantivesse nestas funções, mas acima de tudo, não estaria a ser correto com este jornal, sujeitando-o a certas “maldades”.
Obrigado a todos!
Um grande abraço

JOÃO AMARAL TREINADOR DA SECÇÃO DE ATLETISMO DA CASA DO POVO DE MANGUALDE

DSCF0395Em entrevista ao nosso jornal João Amaral dá a conhecer um pouco mais sobre o trabalho de uma secção que tem levado o nome de Mangualde além fronteiras

EDITORIAL Nº 613 – 1/4/2013

 

 

maltezCaro Leitor,

 

Ao fim de dois anos, ei-lo aí! E na grande forma que sempre se lhe reconheceu!!

Entrevista fraca, parece-me, com uma preparação deficiente por parte dos entrevistadores para o “embate” com o animal político e televisivo.

Ricardo Costa, diretor do Expresso, e José Gomes Ferreira, subdiretor de informação da SIC, fizeram aquela que considero ser, até hoje, a melhor entrevista a José Sócrates. Uma entrevista a léguas desta que agora teve lugar.

Sócrates sempre teve a capacidade de desviar as questões para o que lhe era mais interessante ou conveniente. Ricardo Costa afirmou há dias ao Dinheiro Vivo, que preparação e mais preparação caracterizam as idas de Sócrates à televisão. “Sabe estar e falar em televisão: usa as questões lançadas pelo entrevistador, pega na bola e leva-a para onde quer.”

Da mesma forma, sempre teve a capacidade de levar a opinião pública para onde queria. Não foi à toa que durante vários anos a opinião pública se recusou a aceitar a verdade nua e crua dos factos e, pouco tempo antes de sair, Sócrates conseguia ter índices de popularidade fantásticos!

Ricardo Costa comparou Sócrates a um jogador de rugby, por conseguir ir colocando a bola no terreno onde lhe é mais favorável. Até posso concordar com a metáfora de Ricardo Costa, mas Sócrates parece-me mais um tipo que tem sempre a casa a brilhar, mas onde não se podem levantar os tapetes nem desviar as mobílias.

Dos comentários que vi à entrevista agora realizada, José Gomes Ferreira pareceu-me o mais escandalizado com as afirmações de Sócrates. Acusou-o mesmo de distorcer dados durante a entrevista, como se regressasse agora e quisesse colocar uns “óculos” a todos os portugueses, para que todos víssemos a realidade severamente distorcida que Sócrates quis fazer passar.

Sim! Afinal, Sócrates foi uma vítima inocente na terrível história recente do nosso País! Sócrates não cometeu nenhum erro durante a sua governação. Sócrates, antes como agora, sempre teve razão em tudo. Sócrates, como antes tinha contra si uns tais de profetas da desgraça, tem hoje 10 milhões de acusadores terrivelmente injustos e caluniosos até!

Não tarda nada, ainda vamos todos ter de ir pedir desculpas a Sócrates!

O pior de tudo, ainda, é que Sócrates criou uma certa “escola política” durante anos e tem por aí uns seguidores. Felizmente, não no engenho nem na capacidade, nem no estilo. Afinal de contas, um Sócrates já chega!!! Mas já nas táticas…

Um abraço