Arquivo mensal: Abril 2014

CÂMARA MUNICIPAL DE MANGUALDE – EDITAL Nº 35/2014

CORRIGENDA

O logótipo do Município de Mangualde inserido no Edital nº 35/2014, publicado na nossa edição nº 637 de 15/4/2014, devido a um link da imagem foi indevidamente trocado pelo do Benfica, lapso do qual nos penitenciamos e pedimos desculpa aos visados.

logo

EDITAL Nº 35/2014
Joaquim Manuel Patrício Ferreira, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Mangualde, torna público que, em conformidade com o disposto no n.º1, alínea ss) artigo 33º conjugado como artigo 34º e n.º1 e 2 do artigo 56º da Lei n.º75/2013, de 12 de setembro, foram aprovadas, em reunião de Câmara Municipal de 17 de março do corrente, as seguintes denominações toponímicas apresentadas pela Comissão Municipal de Toponímia e Numeração de Polícia de Mangualde:
1 – “Caminho dos Lobos”
Arruamento em Santa Luzia, com início na rua do nascente, e sem fim determinado, na União de Freguesias de Mangualde, Mesquitela e Cunha Alta.
2 – “ Rua A (antes da linha de caminho-de-ferro)”
Rua A (antes da linha de caminho-de-ferro) com início na Rua A (Contenças de Baixo) início de Contenças-Gare e fim na linha de Caminho-de-ferro, na freguesia de Santiago de Cassurrães.
3 – “Rua A (depois da linha de caminho-de-ferro)”
Arruamento com início no Largo da Estação e fim na Estrada Municipal, na freguesia de Santiago de Cassurrães.
4 – “Largo da Estação”
Com início no espaço de confluência da Rua A e Linha de Caminho de-Ferro e sem fim definido, na freguesia de Santiago de Cassurrães.
5 – “Rua da Ponte”
Arruamento com início na Rua A – início de Contenças-Gare e fim na Rua A (depois da Linha de Caminho de Ferro), na freguesia de Santiago de Cassurrães.
6 – “Estrada Municipal”
Com início na Rua A (depois da Linha de Caminho de Ferro) e fim na Estrada municipal, limite de Casal Mundinho, na freguesia de Santiago de Cassurrães.
7- Alteração da “Rua do Campo”
Alteração Rua do Campo na Localidade de Mesquitela, passando a designar-se Rua Dr. Beirão, com início na rua Gil Vicente e sem fim definido, na União de Freguesias de Mangualde, Mesquitela e Cunha Alta.
8- Extinção da “Travessa da Cruz e Rua Vale do Moiro”
Extinção da “Travessa da Cruz e Rua Vale do Moiro”, passando a uma única rua, designada por Rua do Polidesportivo, com início no espaço de confluência na Rua da Cruz e Rua Nova e fim na Rua Gil Vicente, na União de Freguesias de Mangualde, Mesquitela e Cunha Alta.
9- Todos os arruamentos existentes dentro dos limites das denominadas localidades de Cubos e de Mangualde-Gare, passam a designar-se “Cubos- Mangualde-Gare”.
Para constar, se publicam este Edital e outros de igual teor, que vão ser divulgados nos termos habituais.
Paços do Concelho, 28 de março de 2014
O Vice-Presidente da Câmara Municipal
(Joaquim Manuel Patrício Ferreira)
Renascimento nº 637 de 15/4/2014

EDITORIAL Nº 637 – 15/4/2014

SR

Caro Leitor,
Estamos na Páscoa. Vem à nossa memória Jesus crucificado, entregue por Judas a troco de 30 moedas. Mais lhe valia que nunca tivesse nascido, evitava o justo castigo de cometer suicídio no laço.
Um apóstolo da confiança de Jesus traiu-O a troco de 30 dinheiros. E se naquele tempo foi só um, hoje quantos seriam mais? Os tempos deram azo à facilidade em justificar comportamentos atrozes. Obviamente que a política neste cenário é rainha. Apregoa-se a boa vontade e a boa acção e, contas feitas, vêm-se a revelar Judas, com 30 e mais moedas mas sem suícidios (políticos).
Páscoa também traz à memória as relações entre padrinhos e afilhados. Recordo os anos 70 em que as melhores assembleias de família eram a Páscoa, o Natal, a festa da aldeia, a matança do porco, as ceifas e a debulha. Sempre com a família e amigos reunidos à volta de uma mesa bem posta para o culminar da festa. Hoje em dia, há outras distracções menos humanas.
No dia de Páscoa, logo pela manhã, ia ao encontro do meu padrinho, pedia-lhe a bênção e logo depois ele dizia “Deus te abençoe e te faça um santinho bem grande”. Dava-me um pacote de amêndoas e eu ficava todo feliz com o meu folar, porque naquele tempo só havia amêndoas na Páscoa. Ainda hoje, gosto muito do meu padrinho e estimo cada atitude que teve para comigo, mais do que as amêndoas.
Nestes dias sinto a alegria das pessoas, pois os familiares regressam às origens, onde ainda o compasso se desloca às habitações e algumas famílias festejam até com alguns foguetes que já têm preparados para o efeito. Há tradições que nunca deveriam acabar e esta é uma delas, porque nos leva de volta às raízes e à sua simplicidade.
Mais um marco também se celebra: o 25 de abril, desta vez com uma celebração histórica. 40 anos se passaram; 40 anos de liberdade, 40 anos de esperança mas, podemos ainda pensar que foram 40 anos perdidos dos objetivos e ideais que se exaltaram na altura e daquilo que se imaginava que viesse a ser Portugal. Este ano de 2014 vamos festejar a liberdade ou vamo-nos lembrar da falta dela? Que confusão! Viva abril, viva a liberdade, viva a esperança e viva o Portugal que queremos. Esse, ainda vive.
Um abraço amigo. Feliz Páscoa.[/s2If]

PRIMAVERA – TEMPO DE ALERGIAS!

dr. raul
Embora timidamente a Primavera já se instalou! Nos dias em que não chove os pólenes, levados pelos insectos e pelos ventos, começam a andar pelo ar e os olhos dos que sofrem de alergias a ficarem vermelhos, o nariz a espirrar, a escorrer e a obstruir, a pele a encher-se de vermelhidões e de comichões e os brônquios a tossirem, a sibilarem e, mesmo, a causarem falta de ar!
Tornar-se assinante para continuar a ler…