Arquivo mensal: Julho 2018

EDITORIAL Nº 736 – 1/8/2018

serafim tavares
Caro leitor
Quero dizer que não serei mais candidato político a coisa alguma, pois da forma que atualmente é feita política, não me revejo na intriga, na maledicência, no insulto barato, no bota abaixo aquele ou aquela porque nos pode fazer frente. São assim 98% dos atuais chamados políticos.
Os que sempre rastejaram umas migalhas e nada fazem, são esses que têm todo o tempo do Mundo para enterrar os vivos e desenterrar os mortos, como diz o povo e com razão.
Vou assumir assim o mandato de deputado que os mangualdenses me confiaram. Não os defraudarei. Estarei assim atento na defesa do superior interesse de todos os mangualdenses. Sou um cidadão atento e com a ajuda de muitos cidadãos que me fazem chegar os seus descontentamentos.
Estarei firme e convicto do superior interesse de Mangualde. Nunca pensei em tachos como alguns, porque também nunca tive necessidade deles. Venci na vida mas por mérito próprio, ou seja, com muito trabalho, porque entendo também, que só o trabalho dignifica o Homem, ao contrário de outros que querem e desejam ser reconhecidos por nada terem feito nem por eles, nem por Mangualde. Nada. Só Deus sabe. De repente têm só um objetivo, conseguir à custa dos Mangualdenses aquilo que nunca conseguiram – ficar governados, porque projetos para Mangualde não se vê e nada se vai ver. Ainda há outros que se vendem por um prato de lentilhas para comerem no mesmo tacho. Não me revejo neste filme.
Sou livre como os passarinhos e continuarei a sê-lo.
Desejo a todos os leitores, colaboradores e anunciantes umas ótimas e boas férias. A 1 de setembro cá nos voltaremos a encontrar se Deus quiser.
Abraço amigo,

RELEMBRANDO…

A pedido do nosso assinante Amândio Nunes Cabral, do Brasil, aquando da sua passagem pela nossa redação, e porque entendemos que ainda se coaduna com a nossa atualidade, publicamos artigo que veio à estampa no Renascimento na sua edição, nº 440 de 1 de outubro de 2005, da autoria do nosso colaborador de então, Superintendente José Luís da Costa e Sousa

Tornar-se assinante para continuar a ler…

IMAGINANDO

francisco cabral
ANIVERSÁRIO DA CASA DO POVO DE CHÃS DE TAVARES
Permitam-me caros leitores, um pequeno parentesis no meu imaginando, para  enaltecer no passado dia 21 de Julho, mais um aniversário da Casa do Povo de Chãs de Tavares e a iniciativa tomada pela sua direção que com muita elegância manifestaram o seu reconhecimento ao donativo de toda minha família, homenageando assim meus Avós Francisco Cabral e Gracinda de Almeida Cabral, oriundos desta nobre terra  integrada num antigo município de Portugal, com Sede nesta Aldeia. Tornar-se assinante para continuar a ler…

REFLEXÕES

DSC03818
DEMOCRACIAS DO MEDO
CHECOSLOVÁQUIA- Tempo de aproveitar.
Instalados “comodamente” nas nossas tendas, após uma noite atribulada, pudemos finalmente relaxar, dormitar e carregar energias para as visitas e passeios que estavam programados. Era um mar de tendas e muitas rulotes internacionais que se organizaram nesta larga planície no sopé dos Tatra. Tornar-se assinante para continuar a ler…