OS VENTOS NÃO VARREM AS MEMÓRIAS

20180927_115708
MEMÓRIAS NÃO PAGAM IMPOSTOS
O passado está escrito nas memórias , o presente na vontade e o futuro está presente no desejo .Diante de algumas memórias ficamos a saber e a pensar para que serviu o passado á luz de uns olhos que anoiteceram quando uma sombra passou em doirados tempos matutinos .São sempre motivadoras , gratificantes e duradouras as memórias de um passado em que aprendemos com ele , do qual guardámos experiencias que nos fizeram melhores no presente pudemos acumular as sabedorias que nos farão ainda melhores no futuro . Tornamo-nos sofredores , escravos do passado quando guardamos na memória feridas , dores e mágoas já vividas .Num baú dourado , adornado de pedras brilhantes , luminosas , aferrolhado com chave sem cópia, guardo as recordações da minha meninice e infância, também memórias de uma juventude onde tudo era fresco como brilhante céu azul , vividos na calmaria de um tempo que se subjugava á vontade dos nossos mais singelos desejos . É tão valida em memórias a minha sentida terra , toda feita de água , terra e sol , de uma frescura imaculada quando na primavera se veste de flores que na pureza da paisagem exalam seus perfumes matutinos , o meu ninho de aconchego ,meu porto de abrigo , em que se espraia a esperança á luz do dia , foi tão pródiga de admiração e brilhantismo desportivo , pioneira e ciosa guardiã de uma ancestral vertente cultural , difusora das mais nobres tradições populares .Que é feito de ti ? !!!… porque caminhos, veredas ou ruelas , paragens de um longe sem fim te perdeste e dispersaste !!! .. porque encrespados mares tens navegado que já nem o teu padroeiro Santo André, pescador de coisas humildes que são a lenha que conservam sempre acesa a fogueira de Deus na noite escura e tu ás suas redes te tens furtado !!! …. Porque mansos rios te tens espraiado que já nem as tuas fontes choram por ti , sim as tuas fontes , porque ser fonte é cair e correr sem descanso . És um livro empoeirado que um passado distante nos seus braços envolveu e onde as boas memórias , que fizeram a nossa gloriosa história , o nosso passado brilhante se atolaram em pó e se volatizaram . Mas como lívido perfume que se exala, as nossas memórias são sagradas ; memórias leva-as o vento (alguns assim ousam dizê-lo ) . Não é verdade. Os ventos bramem dolentes e angustiados , gritam e sonham alto , o heróico sol que vence as trevas brilha e aquece como fornalha , a chuva sussurra e encharca os ossos até ao tutano , na noite o luar derrama-se sobre as coisas .Recordações que os homens ignoram como vendo subir medroso e conturbado um nevoeiro de vozes e lágrimas . E nenhum destes intrépidos obstáculos lhes consegue alterar a sua verdadeira essência ,pela passagem dos tempos . O passado é um livro de lembranças das coisas boas e ruins da nossa história que estão guardadas , arquivadas . Sempre vão estar connosco feitas sonhos que floriram . Não há presente sem ter havido passado . Somos aquilo que vivenciámos e construímos ao longo dos anos . Somos os legítimos herdeiros dos nossos antepassados , anfitriões e fiéis depositários dos seus mais nobres valores e feitos , recordando-nos que fomos fortes porque continuámos a lutar onde tantos pararam , alicerçámos uma boa fé firmemente consolidada , que é o farol , um ponto luminoso na vastidão do horizonte , estrela do norte dos nossos filhos e netos . E a única razão de ser tão apegado em memórias , é que elas não mudam , mesmo que eu tenha mudado , e é ainda um dos, nossos poucos bens patrimoniais que não paga impostos . Não sou eterno , mas são-no os momentos, como um enlevo de névoa que o sol doira .Nada é para sempre excepto as memórias e para aprendermos com a nossa história nada melhor que bem as conhecer.