SANFONINAS

dr. jose
Miga-lhe pão dentro!
Ao meio-dia, o capataz dera ordem para almoço. Serviram uma sopa quente. O Joaquim queixou-se ao patrão, que lhe respondeu:
– Assopra-lhe!
No final do dia, o Joaquim, que viera como os outros para a esgalha da cortiça, não quis continuar ali e mudou de patrão.
A cena repetiu-se: sopa quente, queixume; mas agora a resposta foi outra:
– Põe-lhe água fria!
Não lhe servia o patrão e o Joaquim despediu-se.
Terceiro patrão, terceira sopa quente, terceira queixa, terceira resposta:
– Miga-lhe pão dentro!
E o Joaquim ficou.
Contou-me meu pai esta história, ele que também trabalhara no Alentejo, pelos anos 30. Uma história que, na sua singeleza, mostra, por exemplo, a importância da sopa e do pão no que hoje chamamos a ‘dieta mediterrânica’, que é, no fundo, o modo tradicional de comer no Sul de Portugal; e também as dificuldades por que se passava então.
Muito se fala hoje dos comeres, porque a gastronomia se tornou património identitário e a culinária ganhou requintados foros, com o aparecimento daquele jeito de alindar o prato com duas ou três coisas, a que se dá o nome de gulodice (gourmet é o termo), porque se percebeu que são os olhos que comem e o estômago que jejue, porque lhe faz é bem!
Era assim. Nossos avós sabiam como se deviam amanhar em tempo de fartura, para, aquando de eventual penúria, terem com que se aviar. Frigoríficos não os havia. Na arca antiga se guardava, em sal, a carne do porco que se matara. Minha mãe, quando a bom preço se compravam dois centos de sardinhas, arranjava-as a preceito e guardava-as em salmoura, para se comerem mais tarde. E aqueles carapauzinhos alimados? E a petinga que se escondia depois nas papas de milho?…
Sim, como canta o Rodrigo, se, até há pouco, coentros e rabanetes não iam à mesa do rei, agora vão os coentros, os orégãos, o alecrim, o poejo (ai, essa sopinha de poejo e esse fresquinho licor do mesmo!…) e até se descobriu o significado último da frase «quem tem fome cardos come», porque os tronquinhos carnudos desses cardos que, na Primavera, se espalham pelo campo, ripados a primor, dão uma sopa com feijanito encarnado de comer e chorar por mais!…
Feijanito? O diminutivo bem português que, na comidinha, amiúde se usa para mostrar o que é nosso até no modo de falar!… Amigo, vai um jantarinho de grão?