EDITORIAL Nº 769 – 15/1/2020

patrao
Caro leitor

A vida não é fácil. Acho que ninguém dirá o contrário. Partimos de uma inocência e tranquilidade, que nos são dadas porque alguém toma conta de nós, até que rapidamente descobrimos que a vida exige o nosso trabalho, que temos de fazer por nós mesmos e pelos nossos. Os nossos, se forem tão bons como os meus foram, ensinam-nos isso: a sobreviver.
Como consequência vamos aprendendo, à medida que a necessidade nos mostra, as grandes lições da vida:
– Que o trabalho é e sempre será a solução para muitos problemas, a luz ao fundo do túnel. A trabalhar, não há como errar;
– Que o nosso lar, a nossa família, é TUDO! É porto de abrigo e o que nos move. Apoiam-nos nas nossas lutas, quer acabem em vitórias ou derrotas. Em casa não há cinismo;
– Que o pior sentimento é o egoísmo, a inveja e o rancor. São armas que as pessoas apontam e carregam, para no fim usarem contra si mesmos;
– Que errar é humano. Só não erra quem não trabalha. Só não erra quem não vive;
– Que as pessoas têm bem e mal dentro delas. Mas o que importa é que as pessoas boas existem. São pessoas presentes que alegram os nossos dias e nos ajudam a colmatar toda a negatividade no mundo;
– Que nada é imutável e o nosso desconhecimento é infinito. Vivemos conhecendo e aprendendo, coisas más e coisas boas, á medida que nos desafiamos. Vamos ganhando desconfiança face ás más coisas que encontramos, mas isso também nos ajuda a reconhecer o bom e valorizá-lo cada vez mais.
É tudo uma aprendizagem. Tentamos fazer o nosso melhor e por isso somos meritórios, mesmo quando o nosso melhor pode não chegar.
Quando perdemos uma pessoa que amamos, nós fazemos muitas perguntas e tentamos compreender o ciclo da vida. Como a morte choca com as lições que fomos retirando das nossas vivências. Quase parece que a morte contraria a vida. Mas não é verdade. Devemos aceitar inevitavelmente que as coisas acontecem independentemente do que queríamos ou esperamos. A morte não existe. As pessoas morrem só quando são esquecidas. Se se lembrarem de mim, eu estarei sempre vivo.
A vida muitas vezes nos oferece diversas oportunidades, mas estamos sempre tão ocupados que nem sequer damos conta. A vida é preciosa. Temos que nos lembrar de viver plenamente todos os dias, na possibilidade infinita que cada um nos oferece, como uma das tantas cores do arco-íris ou uma das tantas notas da escala musical.

Abraço amigo,