O mundo do avesso

patrao

O COVID – 19, chegou ao mundo inteiro, consequência disso, a maior parte dos Países estão a atravessar grandes dificuldades até económicas e Portugal não foge à regra.
Portugal, está já com 10% de desemprego, algumas empresas já fecharam portas e outras estão a analisar, a ver como o mercado se comporta e, fecharão ou não. Claro que, as mais débeis já encerraram. Temo que passe-mos a ter uma gravidade, que eu entendo, é que algumas empresas já se encontravam em maus lençóis e agora, com os milhares do governo sem aval dos gerentes, ou seja, o governo é o financiador, estas irão trabalhar até que o dinheiro acabe e neste entretanto, vão prejudicando outras, que até ao momento eram sólidas. Dinheiro, sem saber o que custa a ganhá-lo, dá sempre em desgraça alheia. Vamos ver como isto acaba.
Portugal é conhecido mundialmente pelos descobrimentos, fomos os melhores do mundo nesta matéria, acreditemos também que vamos sair desta crise mais fortes, se bem que, ainda não tínhamos saído totalmente da anterior. Diz o ditado com alguma verdade “quando uns choram, outros vendem os lenços”, por isso caiem umas empresas, levantam-se outras, quiçá, até melhores que as existentes.
Nós portugueses somos bons a improvisar. A curto prazo damos cartas, existe uma união forte, olhamos para a Madeira, depois do desastre que a assolou em 2010, trabalharam incansavelmente e está recuperada.
Difícil para a maioria dos empresários portugueses é conseguir projetos a longo prazo. O português gosta de ver rentabilidade a curto prazo, e não como diz o ditado árabe “quem planta tâmaras não colhe tâmaras”, desta forma não serve a mentalidade dos portugueses.