A ação da temperatura na Tensão Arterial

Ana Cruz
De forma instintiva, qualquer indivíduo reconhece o que fazer quando tem frio (descida da temperatura corporal), ou tem calor (aumento da temperatura corporal). Tornar-se assinante para continuar a ler…

O que não é de conhecimento geral são as alterações fisiológicas que se manifestam no nosso corpo, nomeadamente a influência na Tensão Arterial quando surge uma oscilação na temperatura corporal normal, que deverá estar entre 36 °C a 37,2°C. Para clarificar, a temperatura ambiente é muito importante para o controle da temperatura corporal, no entanto os processos infeciosos poderão resultar no aumento da temperatura corporal (febre) não sendo a temperatura exterior ao corpo o estímulo da subida de temperatura corporal! Mas a febre (> 37,8°C) é sintoma de reação do sistema imunológico para combater a infeção, sendo benéfica para diagnosticar a doença e estimular o organismo a criar mais defesas. De fato, a polémica de administrar medicação para evitar a febre é constante e tema a referir posteriormente em outra ocasião!
No caso atual, da onda de calor que fustiga Portugal, o fato da temperatura exterior ao corpo humano ser igual ou superior à temperatura interior resulta na desagradável transpiração (sudorese). A transpiração é a forma de regular a temperatura corporal com a libertação de água e sal através da pele (glândulas sudoríparas) provocando evaporação e consequente arrefecimento. Este arrefecimento é derivado à absorção de calor por parte da água existente na camada superficial da pele, daí o fato de sentirmos frio após a toma de um banho. Na verdade, quem está exposto a uma calor excessivo deveria banhar-se para prevenir insolação ou golpe de calor, porque quando a temperatura corporal fica muito elevada (> 39°C ),apenas a transpiração não resolve para o retorno da temperatura normal…Para além de o banho trazer um alívio ao próprio, e também aos mais sensíveis ao odor corporal que está associado à transpiração! 
Mas a perda de líquidos resulta também numa inesperada hipotensão arterial, comumente denominada por tensão baixa ou baixa de tensão (Perdoem-me os eletricistas e engenheiros, mas de fato há muitas baixas de tensão na Unidade de Saúde de Portugal…).
A Tensão arterial  é a pressão que o sangue faz nas paredes das artérias, sendo que se há menos volume de sangue a circular nas artérias devido a perdas, neste caso, devido ao suor, a pressão sanguínea será menor, logo a Tensão Arterial irá diminuir. Se associar a esta situação pessoas que tomam medicação para controlar a Hipertensão Arterial, indivíduos que tomam infusões diuréticas, diabéticos, estes têm uma forte probabilidade de ter sensação de desmaio (lipotímia) ou até mesmo desmaio (Síncope).A prevenção de tais situações é sempre reconhecer os sintomas (tonturas, suores, visão turva) e colocar-se deitado, sendo ideal elevar os membros inferiores, alertando sempre quem o rodeia do que está a suceder. Isto de ver a “Tia Maria” com os  pés descalços em cima da mesa do restaurante, pode ser uma situação de urgência e não um caso de falta de etiqueta social ou descortesia!
Adiante….Devido à diminuição do fluxo sanguíneo ao cérebro são desencadeadas formas de normalizar a Hipotensão Arterial, de modo a que o principal órgão do corpo não fique em falha de oxigénio e nutrientes. Apesar do nosso sistema circulatório ter sistemas que evitam que o efeito da gravidade acumule o sangue nos membros inferiores, por vezes há hipotensões provocadas por posição vertical prolongada (Hipotensão Postural), que revertem da mesma forma com os mesmos atuações descritas anteriormente. Não será de desvalorizar que a recorrência de desmaios deveram ser analisados para despistar potenciais patologias cardiovasculares e\ ou metabólicas, mas em verdade quase todo o indivíduo ao longo da sua vida tem pelo menos um episódio de sensação de desmaio ou desmaio.
Já quando a temperatura ambiente é inferior como acontece no Inverno, existe a resposta fisiológica para produção de calor para manter a temperatura corporal nos limites já citados anteriormente. Com a exposição ao frio através da pele, os vasos sanguíneos perdem o calor existindo uma resposta imediata de retração vascular, ou seja quase não se visualiza as veias na superfície da pele e consequente as artérias, mais internas do que as veias, também contraem resultando num efeito de vasoconstrição. Esta resposta serve para evitar que órgãos nobres como o coração, cérebro, fígado não sofram também de arrefecimento com o sangue mais frio e que funcionem de forma eficiente. Logo a seguir surgem os tremores e arrepios (contrações musculares) como forma de aumentar o calor a nível muscular, evitando a imobilização devido a hipotermia (< 35°C). Historicamente a hipotermia dizimou os exércitos de Napoleão e Hitler na tentativa de invadir a Rússia, relembrando que a Natureza tem formas inusitadas de demonstrar a fragilidade humana. A tensão arterial aumenta com o frio devido à concentração de fluxo sanguíneo nas artérias provocada pela vasoconstrição, sendo um dos motivos de crises hipertensivas e problemas de descompensação cardíaca no Inverno. A importância de monitorizar a Tensão Arterial durante as estações do ano está relacionada com a influência que o clima tem no organismo e regular a medicação conforme indicação médica. No fundo somos todos soldados. Sujeitos a ação da Natureza, no qual fazemos parte e que arrogantemente consideramos inatingíveis. Porque todos somos um sistema aberto, mesmo que estejamos isolados, quer o calor quer o frio sempre nos atingem![/s2If]