Ficha Técnica e Estatuto Editorial

Quinzenário

Número de registo de pessoa colectiva: 501 766 464

Número de registo na D.G.C.S.: 100.334

Matriculado na C.R.C. de Mangualde sob o número: 353

Registo no Ministério da Justiça Nº 208870

Diretor: Drª. Isabel Tavares

Coordenador de Redação: Serafim Tavares

Arquivo de Honra:

Dr. José Henriques Pereira Júnior

Victor Melchior Gomes

Dr. Valentim da Silva

Colaboradores:

Filipe Pais Pinto

Dr. Raul de Amaral Marques

Prof. Dr. José d’Encarnação

Juiz Conselheiro Dr. Jorge Augusto Pais de Amaral

António Cândido

Ana Maria Fernandes

Frederico Assunção

Rui Vaz

Correspondentes:

Herculano Oliveira

Administração: Serafim Ferreira Gomes Tavares

Telemóvel: 93 953 19 90

Redação: Rua José Coelho dos Santos, nº 10 (Zona Industrial do Salgueiro, Lt4)

3534 – 005 Mangualde

Telefone: 232 623 232

Telemóvel: 93 958 12 29

Capital social: 25.000 €

Sócios detentores com mais de 10% do Capital da Empresa:

Serafim Ferreira Gomes Tavares

Carlos Edmundo Videira Martins Francisco

(Artº 7, nº 12 da Lei de Imprensa)

Assinaturas, Publicidade e Edição: Cristina Viegas Martins

Composição: Empresa Jornalistica Renascimento, LDA

Impressão e Expedição: FIG – Indústrias Gráficas, S.A.

Rua Adriano Lucas 3020-265 Coimbra

Telefone: 239 499 922

Fax:239 499 981

fig@fig.pt

Tiragem média mensal: 4600 exemplares

Renascimento, não se responsabiliza pela publicação de colaboração não solicitada, nem pela devolução de originais escritos ou fotográficos.

Estatuto Editorial
O Jornal Renascimento é um periódico quinzenal, de âmbito regionalista, fundado em 20 de Janeiro do ano de 1927.
Defende uma postura norteada por ideais da democracia e liberdade de expressão. O Renascimento assume-se não só como defensor dos interesses de Mangualde e da região como alheio aos poderes institucionais, sejam eles de natureza política ou religiosa.
A preocupação pelo contributo para o progresso da região não fará com que este Jornal descure os problemas e acontecimentos que têm lugar no âmbito nacional.
O Renascimento irá pautar- se sempre por princípios de isenção, imparcialidade e procurando a informação mais rigorosa.
A obrigação de respeitar os princípios deontológicos da imprensa e da ética profissional estará sempre presente, não podendo prosseguir fins apenas comerciais, ou abusar da boa fé dos leitores, ocultando e/ou adulterando informação.
Renascimento está ao serviço da comunidade e para a comunidade como parceiro sempre presente para o desenvolvimento do concelho.

Serafim Tavares