SANFONINAS

dr. jose
Entradas desabridas
Dei comigo a pensar nas entradas desabridas.
E foi porque vestira às avessas a camisola interior e só reparei nisso quando já havia por cima dela a camisa, devidamente metida nas calças, e uma camisola. A primeira reacção foi:
– Pronto! Já vesti mal esta porcaria outra vez!
Matei-a, felizmente, à nascença e, serenamente, fiz o propósito de, na próxima, ter mais atenção ainda! E, claro, evitar sempre a entrada desabrida.
«Desabrida». Agora reparo no sentido do termo: desabrida por não ter qualquer resguardo, recato ou ponderação. «Entrada», por seu turno, lembra-me logo o futebol, onde uma entrada dita perigosa ou mal intencionada é de imediato punida pelo árbitro.
Punida. Boa ideia. Será que tem árbitro e punição o uso corrente de palavras ‘feias’ como porcaria e parecidas? Tem, consciencializo-o eu agora, após tantos anos passados: faz-nos mal! Aumenta o nosso mal-estar; contribui para cimentar aquela carga emocional negativa que nos ensombra a existência – como o aumento dos impostos, as guerras, as catástrofes quotidianas, os conflitos sociais… Quanto a esses, pouco nos é possível fazer; mas quanto a nós, ao nosso íntimo, à nossa relação com os demais (desculpar-se-me-á o tom), uma atitude serena constitui válida contribuição para nos sentirmos bem connosco e saborearmos plenamente a vida.
– Pronto! É sempre assim, não tens cuidado nenhum! Bolas!
Sim, é agressão à pessoa a quem nos dirigimos; todavia… não o será ainda mais para nós próprios? Se omitirmos o ‘sempre’, o ‘nenhum’, provavelmente se encontrará outro termo para resolver a situação, sem apoucar a criança, o marido, a mulher… que, naquele momento, por qualquer motivo, não tiveram cuidado. Ou nós achamos que não tiveram. Houve um descuido? O próprio descuidado fica magoado consigo mesmo, não carece que, ainda por cima, nós o critiquemos! E a resposta, a melhor resposta, para nós e para o descuidado, será não a da entrada desabrida mas a de encarar a situação e… resolvê-la!
Que raio de crónica esta! – dirá quem me leia. Perdoe-me o desabafo! É que, hoje de manhã, eu vesti a camisola interior ao contrário e ia perdendo a calma!…